21.4.16

as carícias dos quintais (24)

P1010185

Lembro-me de quando era verão. Daqueles verões que duravam cinco ou seis meses, que iam de maio a outubro, com aquelas noites cálidas, onde se podia ficar em camisa, numa esplanada, a emborcar cerveja até à meia-noite.

Havia um enorme relvado em frente à sala de jantar e um lindo empedrado, com uma mesa e algumas cadeiras, onde costumávamos almoçar, sempre acompanhados pelos nossos três estabanados cães.

Ao fundo, uma fonte deitava continuamente um fio de água refrescante e resoluto. Era tão bom, tão lindo, tão meu!

14.4.16

Uma carta do Caio

pedra epigrafada

Recebi hoje esta carta enviada por Caio César Augusto… com algum atraso. “Imus indum, cum gratia Dei. Et tu, Caius?” 

sinos em sortelha

DSC03091

Inaugurados em 66, tocam sozinhos, ninguém sabe como… Uma moira encantada ou uma imaginação delirante. Ou talvez o vento. O vento é capaz de tanta coisa…

19.12.15

As carícias dos quintais (23)


Estio. Cheiro de jasmineiros em flor.

30.3.13

orquídea 1

Glria-Ishizaka---orquideas-29

A caprichosa orquídea quer tudo a seu gosto. E não se lhe dá morrer se for contrariada…

4.4.11

“um tempo que passou”

relogio antigo pic tempo

“O tempo tem mais olhos que barriga”